O estudo da estrutura das palavras se baseia na formação das mesmas. Apesar de ser um pouco difícil perceber, há um padrão na formação das palavras na língua portuguesa, seja qual for a origem delas. Vamos entender um pouco desses estudos e como é feita a formação das palavras na língua portuguesa.

Estrutura de palavras

As regras de formação de palavras podem variar de idioma para idioma. Os morfemas são as menores unidades de significado e influenciam as principais características do idioma português, considerado um idioma morfofonêmico. Ao considerar o idioma português, é importante distinguir entre dois tipos principais de classes de palavras: a variável e a invariável.

Palavras variáveis

Palavras variáveis ​​são aquelas que podem variar em relação ao gênero, número, grau, pessoa, tempo, modo e voz. Elas incluem substantivos, artigos, adjetivos, numerais, pronomes e verbos. Desses, os verbos fornecem o maior número de variações porque a conjugação de verbos em português é muito elaborada e altamente flexionada. Os verbos apresentam variação em pessoa, número, tempo, modo e voz.

Formação de palavras

As palavras são formadas com diversos elementos, e há regras nessa formação para uma estrutura bem definida. (Foto: WebKu)

Exemplo da variação de verbos em português

Variação na primeira pessoa:

Pessoa – Eu estudo; Ela estuda

Número – Eu estudo. Nós estudamos

Tense – Eu estudo; Eu estudarei

Modo – Estude!

Voz – Eu estudo a lição; A lição foi estudada por mim

O modo e a voz diferem de línguas como o inglês, pois o modo subjuntivo e a voz passiva são mais comuns e aceitáveis ​​em português. Por exemplo, a frase !o português é falado por muitas pessoas fora do Brasil” é escrito na voz passiva, enquanto que “muitas pessoas falam o português fora do Brasil” está na voz ativa. Consequentemente, quando essa característica de idioma é aplicada a outras línguas, tem uma influência linguística esperada.

Palavras invariáveis

Palavras invariáveis ​​apresentam apenas uma forma e incluem advérbios, preposições, conjunções e interjeições, embora os advérbios possam variar em grau. As preposições em inglês, por conta disso, representam um grande desafio para os alunos de português e espanhol que aprendem inglês. Além disso, o uso de conjunções também difere principalmente na frequência de uso de conjunções coordenadas na comunicação verbal e escrita. Isso transmite a impressão errada de desorganização, quando, de fato, a lógica é apenas diferente do estilo linear usado em outras línguas.

Prefixos, sufixos e radicais

Muitos morfemas são muito úteis para analisar palavras desconhecidas. Os morfemas podem ser divididos em prefixos, sufixos e radicais (também conhecidos como raízes ou bases).

Prefixos são morfemas anexados à frente de uma palavra raiz / base.

Sufixos são morfemas anexados ao final de uma palavra raiz / base ou a outros sufixo.

Raízes / palavras de base são morfemas que formam a base de uma palavra e geralmente carregam seu significado. Geralmente, as palavras de base são morfemas livres, que podem se sustentar sozinhas. Porém, radicais podem ser morfemas vinculados que não se sustentam.

É útil destacar como as palavras podem ser divididas em morfemas (e qual cada uma delas significa) e como podem ser construídas novamente).

Portanto, é útil para a leitura e a ortografia oferecer oportunidades para analisar palavras e familiarizar-se com morfemas comuns, incluindo seu significado e função.

Exemplos de prefixos, sufixos e radicais

Exemplos de prefixos

ab-, abs-

ad-, a-

ambi-

ante-

bene-, ben-

bis-bi-

in-, im, i-

de-, des-,dis-

extra-

in-, im-, i-, em-

Exemplos de sufixos aumentativos

-ão

-aço

-alhão

-aréu

-arra

-(z)arrão

-eirão

-uça

Exemplos de sufixos diminutivos:

-inho

-zinho

-acho

-icho (a)

-eco

-ela

-ote

-isco

Exemplos de radicais:

agri

ambi

api

arbori

beli

cado

cola

fico

fide

frater

gero

ludo

mater

multi

opera

pluri

silva

vídeo

volo

voro

Dúvidas? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)