Seus professores de português e gramática devem já estar cansados de falar sobre a morfologia e a análise morfológica. Apesar do nome ser um pouco complicado, não é difícil entender o que é a análise morfológica e sua importância na compreensão da língua portuguesa. Vamos falar sobre os principais aspectos da morfologia e sua importância.

O que é análise morfológica?

Na linguística, a morfologia é o estudo das palavras, como elas são formadas e sua relação com outras palavras na mesma linguagem. Analisa a estrutura das palavras e partes das palavras, como hastes, palavras-raiz, prefixos e sufixos. A morfologia também examina partes da fala, entonação e estresse, e as formas como o contexto pode alterar a pronúncia e o significado de uma palavra. A morfologia difere da tipologia morfológica, que é a classificação das línguas com base no uso das palavras, e da lexicologia, que é o estudo das palavras e como elas compõem o vocabulário de uma língua.

Morfologia ao longo do tempo

Tradicionalmente, uma distinção básica foi feita entre a morfologia – que está principalmente relacionada com as estruturas internas das palavras – e a sintaxe, que está principalmente relacionada à forma como as palavras são colocadas juntas nas sentenças.

O termo ‘morfologia’ foi retirado da biologia, onde é usado para denotar o estudo das formas de plantas e animais. Ele foi usado pela primeira vez para fins linguísticos em 1859 pelo linguista alemão August Schleiche, para se referir ao estudo da forma das palavras.

Morfologia das palavras

A morfologia é o estudo da formação das palavras, e deve ser compreendida para quem está estudando a língua portuguesa. (Foto: Malaysia Latest News)

Análise morfológica das palavras

Os dois ramos da morfologia incluem o estudo do rompimento (o lado analítico) e a remontagem (o lado sintético) das palavras; a saber, a morfologia flexional diz respeito ao rompimento de palavras em suas partes, tais como como sufixos fazem diferentes formas verbais. A formação lexical de palavras, em contraste, diz respeito à construção de novas palavras-base, especialmente as complexas que vêm de múltiplos morfemas. A formação lexical de palavras é também chamada morfologia lexical e morfologia derivacional.

Conceitos na análise morfológica

Alguns conceitos vão ajudar na análise morfológica.

Lexemas e formas de palavras

O termo “palavra” não tem um significado bem definido. Em vez disso, dois termos relacionados são usados ​​em morfologia: lexema e forma de palavra. Geralmente, um lexema é um conjunto de formas de palavras flexionadas que é frequentemente representado com a forma de citação em pequenas capitais. Por exemplo, o lexema comer contém as formas de palavras comem, comeriam, comerão e comereis. Comer e comer são, portanto, consideradas diferentes formas de palavras pertencentes ao mesmo lexema comer. Comida e comedor, por outro lado, são diferentes lexemas, já que se referem a dois conceitos diferentes. Assim, existem três noções bastante diferentes de “palavra”.

Tipos de formação de palavras

Há uma outra distinção entre dois tipos primários de formação de palavras morfológicas: derivação e composição. Composição é um processo de formação de palavras que envolve a combinação de formas completas de palavras em uma única forma composta. Apanhador de cães, portanto, é um composto, já que tanto o cães quanto o apanhador são formas completas de palavras, mas são posteriormente tratados como partes de uma forma. A derivação envolve a aposição de formas ligadas (isto é, não independentes) a lexemas existentes, em que a adição do afixo deriva um novo lexema. A palavra independente, por exemplo, é derivada da palavra dependente usando o prefixo in, enquanto que o próprio dependente é derivado do verbo depender. Há também a formação de palavras nos processos de recorte nos quais uma parte de uma palavra é removida para criar uma nova, mesclando-se duas partes de palavras diferentes em uma, acrônimos em que cada letra da nova palavra representa um nome específico. palavra na representação, isto é, ONU para Organização das Nações Unidas.

Morfologia baseada em morfemas

Na morfologia baseada em morfemas, as formas de palavras são analisadas como arranjos de morfemas. Um morfema é definido como a unidade significativa mínima de uma linguagem. Em uma palavra como de forma independente, os morfemas são considerados intrinsecamente dependentes; depender é a raiz e os outros morfemas são, neste caso, afixos derivativos. Em palavras como cães, o cão é a raiz e o -es é um morfema flexional. Em sua forma mais simples e ingênua, esse modo de analisar formas de palavras trata palavras como se fossem feitas de morfemas colocados um após o outro (“concatenados”) como contas em uma corda. Abordagens mais recentes e sofisticadas, como a morfologia distribuída, procuram manter a ideia do morfema enquanto acomodam processos não concatenados, analógicos e outros que se mostraram problemáticos para teorias de itens e arranjos e abordagens similares. A morfologia baseada no morfema pressupõe três axiomas básicos:

  • A hipótese do “morfema único”: raízes e afixos têm o mesmo status que os morfemas.
  • A hipótese do morfema de “base de sinais”: Como morfemas, eles são signos dualistas, uma vez que têm forma e significado (fonológicos).
  • A hipótese de “morfema lexical”: morfemas, afixos e raízes são armazenados no léxico.

Morfologia baseada em lexemas

A morfologia baseada no lexema geralmente usa o que é chamado de abordagem item-e-processo. Em vez de analisar uma forma de palavra como um conjunto de morfemas organizados em seqüência, uma forma de palavra é o resultado da aplicação de regras que alteram uma forma de palavra ou haste a fim de produzir uma nova. Uma regra flexional toma um radical, modifica-a conforme exigido pela regra e gera uma forma de palavra; uma regra de derivação adota um radical, modifica-a de acordo com seus próprios requisitos e gera um radical derivado; uma regra de composição usa formas de palavras e, de maneira semelhante, gera um tronco composto.

Morfologia baseada em palavras

A morfologia baseada em palavras é (geralmente) uma abordagem de palavra e paradigma. A teoria toma paradigmas como uma noção central. Em vez de declarar regras para combinar morfemas em formas de palavras ou para gerar formas de palavras a partir de hastes, a morfologia baseada em palavras estabelece generalizações que se mantêm entre as formas de paradigmas flexionais. O ponto principal por trás dessa abordagem é que muitas dessas generalizações são difíceis de afirmar com qualquer uma das outras abordagens. Abordagens de palavra e paradigma também são adequadas para capturar fenômenos puramente morfológicos, como morfema. Exemplos para mostrar a efetividade de abordagens baseadas em palavras são geralmente extraídos de linguagens fusionais, onde uma dada “peça” de uma palavra, que uma teoria baseada em morfema chamaria de morfema inflexível, corresponde a uma combinação de categorias gramaticais, por exemplo, “terceira pessoa do plural”. Teorias baseadas em morfemas geralmente não têm problemas com esta situação, uma vez que se diz que um dado morfema tem duas categorias. As teorias de itens e processos, por outro lado, muitas vezes desmoronam em casos como esses porque muitas vezes supõem que haverá duas regras separadas aqui, uma para terceira pessoa e outra para o plural, mas a distinção entre elas. acaba por ser artificial. As abordagens tratam-nas como palavras inteiras que são relacionadas umas às outras por regras analógicas. As palavras podem ser categorizadas com base no padrão em que elas se encaixam. Isso se aplica tanto às palavras existentes quanto às novas. A aplicação de um padrão diferente daquele que foi usado historicamente pode dar origem a uma nova palavra.

Como fazer análise morfológica?

Na análise morfológica da escola, é importante saber classificar as funções gramaticais de cada palavra.

  • Substantivo: dá nome aos objetos. Ex.: bola, cachorro, gato, etc.
  • Artigo: antecede substantivos e determina ou generaliza. Ex.: o, a, uns, umas, etc.
  • Adjetivo: caracteriza e atribui qualidades aos substantivos. Ex.: alegre, feliz, triste, grande, pequeno, etc.
  • Numeral: indica posição ou número de elementos. Ex.: sete, sétimo, quatorze, metade, etc.
  • Pronome: substitui ou acompanha o substantivo, indicando a relação das pessoas na sentença. Ex.: eu, meu, seu, vós, nós, etc.
  • Verbo: exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da natureza. É o que está sendo feito na sentença. Ex.: agir, gritar, pular, etc.
  • Advérbio: modifica o verbo, o adjetivo ou outro advérbio. Ex.: demais, menos, assim, certamente, etc.
  • Preposição: liga dois elementos da oração. Ex.: a, desde, para, apesar de, etc.
  • Conjunção: liga duas orações. Ex.: contudo, e, mas, afim de que, caso, etc.
  • Interjeição: exprime emoções e sentimentos. Ex.: Uau! Puxa!, Eita!, etc.

Em uma análise morfológica, você deve identificar quais são as funções de cada palavra na frase, usando as classificações acima na análise.

Ficou alguma dúvida sobre a análise morfológica? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)