Você não precisa estar em Roma para fazer tudo o que os romanos fazem. Aprender a converter números romanos como um nativo das épocas antigas é uma tarefa não muito difícil.

Vamos tentar explicar a conversão da maneira mais simples possível para que não fiquem quaisquer dúvidas sobre os algarismos romanos.

História dos algarismos romanos

Os algarismos romanos são um sistema numérico que se originou na Roma antiga e permaneceu a maneira usual de escrever números em toda a Europa até o final da Idade Média. Os números neste sistema são representados por combinações de letras do alfabeto latino, I, V, X, L, C, D e M. O uso moderno emprega estes sete símbolos, cada um com um valor inteiro fixo.

O uso de algarismos romanos continuou muito depois do declínio do Império Romano. A partir do século 14, os algarismos romanos começaram a ser substituídos na maioria dos contextos pelos algarismos arábicos mais convenientes. No entanto, esse processo foi gradual e o uso de algarismos romanos persiste em algumas aplicações menores até hoje.

Um lugar em que são frequentemente vistos é nos mostradores de relógios. Por exemplo, em relógios clássicos ou que foram projetados há muito tempo, as horas de 1 a 12 são escritas como:

I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII

As notações IV e IX podem ser lidas como “um a menos que cinco” (4) e “um a menos que dez” (9), embora exista uma forte tradição que favorece a representação de “4” como “IIII” nos relógios de números romanos.

Outros usos comuns incluem números de ano em monumentos e edifícios e datas de direitos autorais nas telas de título de filmes e programas de televisão. MCM, significando “mil e cem menos que outro mil”, significa 1900, então 1912 é escrito MCMXII.

Para este século, MM indica 2000. Assim, o ano atual é MMXIX (2019).

Algarismos romanos

Os números romanos são fáceis de compreender depois que você entende o que significa cada letra. (Foto: Maths)

Como ler todos os números romanos?

Para ler os números romanos, é preciso entender que as letras I, V, X, L, C, D e M representam os valores 1, 5, 10, 50, 100, 500 e 1.000, respectivamente.

De uma forma mais clara ainda:

I = 1

V = 5

X = 10

L = 50

C = 100

D = 500

M = 1000

Adicione os dois números juntos se um numeral for seguido por um de valor igual ou inferior. Portanto, leia II como “I + I” ou “1 + 1”, que é igual a 2; leia VI como “V + I” ou “5 + 1”, que é igual a 6.

Subtraia o primeiro numeral do segundo se um numeral for seguido por um de maior valor. Portanto, leia IV como “1 menor que 5”, que é 4.

Ao ler números maiores, separe os números subtraídos antes de adicionar os valores.

Exemplo: DCXLIX = D + C + XL + IX = 500 + 100 + 40 + 9 = 649.

Como escrever algarismos romanos?

Divida o número em seus componentes básicos, começando com o maior número. Exemplo: 273 = 200 + 70 + 3.

Divida os números novamente, usando seus valores básicos: (200) + (70) + (3) = (100 + 100) + (50 + 10 + 10) + (1 + 1 + 1).

Converta nos números romanos apropriados: (C + C) + (L + X + X) + (I + I + I) = CCLXXIII).

Se você tiver mais de 3 números seguidos, mantenha o primeiro número e subtraia de acordo.

Exemplo: 400 = 100 + 100 + 100 + 100 = “100 menor que 500” = CD, em vez de CC0.

Zero e frações em algarismos romanos

O número zero não possui seu próprio numeral romano, mas a palavra nulla (a palavra latina que significa “nenhum”) foi usada por estudiosos medievais em vez de 0. Dionysius Exiguus era conhecido por usar nulla ao lado de algarismos romanos em 525. Por volta de 725, Bede ou um de seus colegas usou a letra N, a inicial de nulla ou de nihil (a palavra latina para “nada”), em uma tabela de resumos, todos escritos em algarismos romanos.

Embora os romanos usassem um sistema decimal para números inteiros, refletindo como contavam em latim, usavam um sistema duodecimal para frações, porque a divisibilidade de doze (12 = 22 × 3) facilita o manuseio das frações comuns de 1/3 e 1/4 do que um sistema baseado em dez (10 = 2 × 5).

Em moedas, muitas das quais tinham valores que eram frações duodecimais da unidade, eles usaram um sistema de notação de contagem baseado em décimos segundos e metades. Um ponto (·) indicava uma uncia “décimo segundo”; pontos foram repetidos para frações de até cinco décimos segundos. Seis décimos segundos (metade) foram abreviados como a letra S para semis “metade”. Pontos de uncia foram adicionados a S para frações de sete a onze décimos segundos, assim como as notas foram adicionadas a V para números inteiros de seis a nove.

Cada fração de 1/12 a 12/12 tinha um nome na época romana; estes correspondiam aos nomes das moedas relacionadas:

A disposição dos pontos era variável e não necessariamente linear. Cinco pontos dispostos como (⁙) (como na face de um dado) são conhecidos como quincunce, do nome da fração / moeda romana..

Ficou alguma dúvida sobre o estudo dos algarismos romanos? Deixem nos comentários suas dúvidas e iremos ajudá-los nos estudos!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)